domingo, 28 de janeiro de 2018

Resenha: Olivia - J Magnane


Título: Olivia - Sobre pessoas e universos
Autor(a): Jhonã Magnane
Editora: Rouxinol
Páginas: 99
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: Livraria Rouxinol
Sinopse: "Após a sua grande perda, um escritor de Harrisburg, Pensilvânia, parece encontrar uma solução para os seus anseios através de sonhos enigmáticos com Sophie, sua falecida esposa.
Decidido retornar a ilha que ela foi enterrada, James Odell tenta reencontrar o sentido da vida ao escrever um novo romance. Em sua jornada, ele terá duas pessoas para contar: Andrew e Olivia.
MAS SOMENTE UM DELES É REAL."

"Olivia - Sobre pessoas e universos" é um livro que conta sobre um homem torturado pela vida, que busca um novo sentido para a mesma após perder sua esposa de maneira brusca e também é escritor. 

"Se não existe vida fora da terra, então o universo é um grande desperdício de espaço."

"Acho que essa é a questão. Todos nós, um dia, iremos acordar para a morte. É mais simples do que parece: um dia, todo mundo morre."

Após perder os motivos para viver, não encontrar mais sentido para acordar todos os dias e afastado de tudo e todos, James, o famoso escritor (durante um tempo), resolve fazer uma viagem para encontrar novamente a si mesmo, esquecer dos dramas do passado e relembrar a memória de sua falecida esposa. 

"Acho que, no fim, não adianta buscar Deus sem antes buscar a si mesmo."

"As grades dessas prisões em que nos colocamos são construídas por nós mesmos, diariamente. Só permanecemos nela se escolhermos isso."

É uma história curta, porém carregada de drama e lições importantes. Possui uma escrita única e que claramente nos mostra a dedicação do autor para com seu livro e as pesquisas que precisaram ser feitas para que a obra tivesse tamanha mensagem. 

"Perder faz parte do viver."

"Não aja como se fosse o único. Você não é. A vida é dessa forma. Uns vão; outros, não. E nós continuamos aqui, tentando descobrir uma maneira de seguir em frente."

Um livro sobre busca, perda e superação que surpreende e enfatiza a maneira como histórias e trajetórias são contadas, a simplicidade dos acontecimentos diários e sua devida importância, a forma como fé e religião são retratadas e o fato de que os planetas possuem certa insignificância se comparados com galáxias e universos.

" - 'Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas' Andrew recitou, irônico.
- Estou mais para cativo do que cativado, garoto"

"Prefiro o paraíso pelo clima, o inferno pela companhia."

Uma obra curta, mas narrada de forma simples, fluída e intrigante. É uma leitura para ser feita durante uma tarde e que irá surpreender o leitor, permitindo que o mesmo faça a leitura pela segunda ou até mesmo terceira vez, modificando sua experiência de leitura e fazendo tirar uma importante lição a cada vez.

" - Bela frase, Andrew. Mas isso só funciona nos livros."


"Quando você aprende a ser feliz sozinho, a vida flui tão naturalmente quanto o sol brilhando no céu todos os dias. [...] E eu aprendi. Aprendi que o amor não se trata de procurar por alguém para me preencher, e sim, de estar tão cheio a ponto de querer transbordar em outro ser."

O final é surpreendente, revelador e característico de algumas teorias já que é recheado de mistérios. O autor conseguiu sem muito esforço criar um enredo bem construído e  ambientado que faz o leitor imergir na leitura e querer mais ao fim. 

"Acho que estou precisando passar um dia no céu já que as coisas na Terra estão difíceis."


"Eu clamava ao Universo, a Deus que a vida simplesmente não acabasse depois do último suspiro."

A diagramação ficou confortável para leitura, com letras grandes e páginas amarelas, alguns detalhes em desenho e uma linda capa. 

"Tão cruel, sombrio. Por que os justos têm de morrer cedo? Se o salário do pecado é a morte, a recompensa da bondade não deveria ser a vida?"

Recomendo demais!
Espero que tenham gostado, um beijo e um queijo ;*

Nenhum comentário:

Postar um comentário