quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Resenha: Pá de Cal - Gustavo Ávila


Título: Pá de Cal
Autor(a):  Gustavo Ávila
Editora: Independente
Páginas: 40
Ano de lançamento: 2015
Onde comprar: Amazon
Sinopse: "Seis pessoas acordam sem memória em uma vila. Cada uma delas em uma casa, no interior de uma estranha floresta artificial. Em cada casa há uma caixa trancada por seis fechaduras e uma carta, com uma das chaves e um bilhete que diz: "Suas lembranças estão no interior desta caixa. Para abri-la você terá que reunir as chaves das outras cinco pessoas que estão na vila. Se uma pessoa reunir as seis chaves e abrir a caixa, um sistema irá destruir automaticamente o interior das outras cinco. Somente um poderá se lembrar quem é. Boa sorte."

"Pá de Cal" é um conto onde somos apresentados à seis pessoas, quatro homens, uma mulher e uma adolescente, que acordam em uma vila misteriosa, cada um em uma casa, sem qualquer tipo de memória. Sem um nome, são chamados pelo número correspondente a casa em que acordaram (1,2,3,4,5 e 6). 

"...precisamos ter paciência com o medo. O medo de algo faz a gente tomar decisões precipitadas. O medo faz a gente julgar sem entender."

Em cada residência há uma caixa trancada e um bilhete que diz: "Suas lembranças estão no interior desta caixa. Para abri-la você terá que reunir as chaves das outras cinco pessoas que estão na vila. Se uma pessoa reunir as seis chaves e abrir a caixa, um sistema irá destruir automaticamente os outros cinco. Somente um poderá se lembrar quem é. Boa Sorte." A questão agora é, até onde você estaria disposto a ir para recuperar sua memória? Quando se trata de poder, o ser humano é capaz de fazer coisas inimagináveis. 

"Porque entender, eu acho, não é comparar uma coisa com outra para saber se ela está certa ou errada. Entender é simplesmente aceitar. Quando você entende, você fica em paz."

E assim começam os jogos. Um local completamente branco que já passa a sensação de frieza e manipulação. Seis pessoas em busca de respostas e sem saber do que são capazes. Seis pessoas com personalidades nítidas, porém vagas. Seis pessoas querem a mesma coisa, reunir todas as chaves e descobrir quem são. Somente uma conseguirá, mas qual será o preço?!

"-Como... como ser uma pessoa boa se... eu não sei se sou assim? Como... como ser alguém se você não sabe quem é?"

É um conto que contém elementos de Jogos Vorazes, Divergente e Jogos Mortais, e ainda assim é original. Uma distopia criativa, inteligente, cheia de ação, mistérios e muito suspense. A trama é bem construída e ficamos a todo tempo curiosos e angustiados com o que pode acontecer.

"-A responsabilidade pela sua escolha é somente sua, não importa o que aconteça ou o que outras pessoas façam."

Com uma escrita desenvolvida e narrativa envolvente, Gustavo Ávila aborda claramente questões sobre a ambição humana, valores e ética e nos faz refletir sobre o que faríamos se estivéssemos no lugar dos personagens, o que estamos fazendo de nossa vida e o que essas ações refletirão no futuro. 

O final foi surpreendente e bem roteirizado, entretanto, poderia ter sido melhor trabalhado. Como possui um ritmo acelerado, muitas coisas ficam soltas, o que poderia ser resolvido se a história fosse um pouco mais extensa.

Ainda assim recomendo para quem quer sair da zona de conforto e se auto-questionar um pouco, gostei bastante. 

Espero que tenham gostado, um beijo e um queijo ;*

Nenhum comentário:

Postar um comentário